Está cada vez mais perto da 26ª edição do maior rally de regularidade da América Latina, o Piocerá 2013, e mais uma modalidade está com seu percurso levantado e tinindo para deixar qualquer atleta, literalmente, sem fôlego. Trata-se da prova de bike, que este ano será o que podemos chamar de Mountain Bike, pois a prova será quase toda em cimas das montanhas, mas com a diferença de que se trata de uma rally. A equipe chefiada pelo diretor de prova Zenardo Maia  auxiliado pelos comissários Marcio Braz e Alberto Luiz e apoio técnico de João C.S Maia a equipe partiu em busca das trilhas radicais do rali

A primeira etapa acontecerá entre Teresina/PI e Campo Maior/PI, serão 110 km no total e uma especial (trecho cronometrado) de 98km. A etapa começa com um trecho de médias altas entre Teresina e Altos/PI, a trilha tem um tipo de solo  firme  e sem trechos de areia. No segundo trecho da prova, entre Altos e Campo Maior, a trilha fica mais técnica exigindo do atleta mais atenção na navegação e habilidade em trilhas mais acidentadas, o grande momento do dia será, sem dúvida, a passagem pelo  “Vale dos Dinossauros”, região próxima de Campo Maior que vai exigir mais dos atletas por ser uma região inóspita e de muita navegação. A distância da etapa aliada ao sol forte  faz desse dia uma etapa dura, sendo a mais quente de todas. “Como se diz por aqui, “a primeira etapa separa os homens dos meninos” daí para frente é dosar o pedal”, brinca Zenardo.  Ao terminar a etapa os atletas e suas equipes seguem em deslocamento por 230km até a cidade de pernoite em Ubajara/CE. Na mesma noite em Ubajara acontecerá o briefing para a 2ª etapa.

A segunda etapa, em Ubajara/CE será a mais veloz de todas, o terreno firme e sem trechos de areia, nem trechos acidentados e clima mais ameno vai dar a chance dos atletas “socar a bota”, como se diz na gíria popular. A região de Ubajara está localizada na Serra da Ibiapaba a uma altitude media de 850m. Um circuito de 80 km com largada e chegada no mesmo local foi preparada pela equipe. “Cruzaremos inúmeras propriedades rurais todas elas muito produtivas, a região é um celeiro de frutas, legumes e cereais”, conta o diretor de prova. A serra da Ibiapaba é a maior APA (Área de Proteção Ambiental) do Nordeste brasileiro e abriga o Parque Nacional de Ubajara, uma visita imperdível. Ao finalizar a 2ª etapa os atletas e suas equipes seguem em deslocamento por 350 km até a cidade de pernoite, Guaramiranga/CE. 

A terceira etapa deve ser a que exigirá mais técnica dos atletas. Encravada no meio do Maciço do Baturité, uma cadeia de montanhas que abriga várias cidades próximas uma das outras, a cidade de Guaramiranga é um encanto, cidade de clima ameno cercada de muito verde e um povo muito hospitaleiro. “A etapa se dará em forma de circuito assim como em Ubajara, mas com uma grande diferença, em Guaramiranga será uma escalada após a outra, ou seja, a mais difícil e mais técnica de todas as etapas, os desníveis são grandes e as subidas muito íngremes”, afirma Zenardo Maia. A região é repleta de serras e um visual que impressiona. O circuito em Guaramiranga terá 55 km, passando por muitas fazendas e pequenos povoados, entre elas a Fazenda São Luis, que possui  um cassarão em sua sede de 216 anos. Ao finalizar a 3ª etapa os atletas e suas equipes pernoitam mais uma vez na cidade.  A largada para 4ª etapa acontece a 7 km de Guaramiranga na cidade de Pacotí/CE.

Na última etapa os bikers não terão refresco, pois esta será a mais longa de todas, com115 km até a chegada em Fortaleza.  Os primeiros 30 km serão descendendo a Serra do Baturité. Nesse trecho, Zenardo pede atenção, pois a velocidade na decida pode ultrapassar os 80 km por hora, considerando que os atletas estarão em cima de uma bike, essa velocidade pode ser perigosa. Ao fim da decida começa o trecho de sertão, mais uma vez as temperaturas se tornam altas exigindo do atleta uma boa hidratação. Uma boa dose de estratégia vai ajudar os atletas a chegarem em Fortaleza. “A competição desse ano está mais completa, pois mostra diferentes tipos de regiões, clima e  terrenos bem variados. Só lembrando o Piocerá é um Rally de Bike com regras próprias para a modalidade. É também o único Rally Off-Road do mundo a permitir o uso de bicicletas como veículos de competição. Uma coisa é certa, uma pessoa que pedala quase 400 km enfrentando sol, chuva, ventos, subidas, descidas, serras , riachos, calçamento, asfalto e muita trilha, uma pessoa assim eu só tenho um nome para dar: campeão”, completa Zenardo Maia.

As inscrições para todas as modalidades continuam abertas aqui no site oficial. O Rally Piocerá tem: Patrocínio: Ipiranga e Caixa - Governo Federal. Co-patrocínio: Governo do Ceará, Governo do Piauí, TAC Motors e Honda. Apoio: Houston. Supervisão: Federações de Motociclismo do Piauí e Ceará- FMP/FCA e Confederação Brasileira de MotociclismoCBM, Federação Cearense de AutomobilismoFCA, Confederação Brasileira de Automobilismo - CBA e Federações de Ciclismo do Piauí e Ceará- FCiclopi e FCC, filiadas a Confederação Brasileira de Ciclismo- CBC; Realização - Radical Produções.

 

Resumo

1ª Etapa: A etapa mais quente de todas. 110 km

2ª etapa: A etapa  mais veloz de todas. 80 km

3ª Etapa: A etapa mais técnica de todas. 55 km

4ª Etapa:  A etapa mais longa de todas. 115 km

 

Aldeia Com.

Notícias mais recentes

05/06/2020
Bate-papo com galera das bikes agita os canais do Rally Piocerá/Cerapió
26/05/2020
Rally Piocerá lança 34ª edição para 2021 entre Piauí e Ceará
22/05/2020
É hoje o lançamento oficial da 34ª edição do Rally Piocerá.
01/02/2020
Confira quem são os campeões nos carros, quadriciclos e UTVs do Rally Cerapió 2020
01/02/2020
Rally Cerapió define campeões das motos na 33ª edição da competição